quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Na pressa para atingir Ricardo Murad, Estado usou fundamentação de ação popular negada

Por LUIS CARDOSO - As ações que estão na 5ª Vara da Justiça Federal do Maranhão, publicadas hoje [dia 12] pelo blog do Edgar Ribeiro e reproduzidas no blog do Marco D'eça, apontam 18 réus e o autor foi o Governo do Estado. Na ação, entregue ao Ministério Público Federal, foi solicitada a indisponibilidade dos bens do ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, a quebra de sigilo bancário, além da devolução de uma soma alta em dinheiro.

Até aqui tudo bem, tudo bacana ao projeto do governador em colocar Ricardo Murad na cadeia e impedir que ele seja candidato a prefeito de São Luís e use o palanque para tornar públicas denúncias contra a atual gestão. Ocorre, porém, que em 2013 o aliado de Dino, Felipe Klant, ingressou com ação de violação aos princípios administrativos e enriquecimento ilícito contra Murad e outras 13 pessoas por causa de obras de reforma do hospital Carlos Macieira feita pela Fugita.

O juiz federal Rubem de Lima de Paula Filho negou provimento na primeira. Na segunda, o também juiz federal José Valterson de Lima declinou a competência para o juízo estadual. Nessa ação, estão o BNDES, Fugita Engenharia, Ricardo Murad, Star Engenharia e outros.

Agora, o pecado da pressa, ao que parece, estragou os planos do Governo do Estado em reduzir a pó seu maior adversário, o ex-secretário Ricardo Murad. Na ação juntada e encaminhada ao Ministério Público Federal agora em 10 de agosto de 2015, as mesmas argumentações ipse-liter da ação movida por Klant e teve como advogado Rodrigo Lago, que hoje ocupa o cargo de secretário de Transparência e Controle. Então, é bem provável que as solicitações do Governo do Estado não sejam acatadas pelo mico jurídico cometido. É aguardar! Do Blog do Luís Cardoso