terça-feira, 29 de setembro de 2015

A exclusão de Coroatá

   Arte/Blog do Carlos Filho
O Governo do Maranhão celebra, nesta quinta-feira (1º), a cultura maranhense na Baixada Maranhense, no município de Mirinzal, com a edição do projeto ‘Mais Cultura e Turismo’. Trata-se do chamado processo de institucionalização da cultura, geração de conhecimentos, difusão cultural, fomento e sustentabilidade. Ao todo são 22 edições do projeto para todas as regiões do Estado. E pasmem, Coroatá ficou de fora dos planos dos "comunistas" e do G10 - os seguidores de Flávio Dino e cia no município que jamais fora tão esquecido.

Com a exclusão de Coroatá, olha só os territórios contemplados: Carutapera, Santa Inês, Mirinzal, Pinheiro, Viana, Chapadinha, Barreirinhas, Tutóia, Itapecuru Mirim, Rosário, Imperatriz, Carolina, Balsas, Barra do Corda, Presidente Dutra, Grajaú, Bacabal, Pedreiras, Codó, Caxias, Timon e São João dos Patos.

Quer dizer, Coroatá deixou de ser considerada um lugar rico culturalmente. Perdeu a prioridade para a valorização da cultura local. Em Coroatá não tem o tradicional Bumba-Meu-Boi, tambor de mina. Não importa mais o modo de vida das comunidades, não importa o reconhecimento dos saberes tradicionais. As tradições foram esquecidas. Não existe preocupação com ações continuadas de caráter estruturante. Através da cultura, como o próprio Governo admite, pode-se pensar na implantação de equipamentos públicos, bibliotecas, formação de agentes culturais, cartografia social, residências artísticas, cadastramento de grupos, comunidades, artistas e práticas culturais no Sistema Estadual de Informação e Indicadores Culturais (SEIIC) e o apoio aos municípios na elaboração de seus planos municipais de cultura.