quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Que morram os maranhenses!

Prioridade do governo não é proteger o povo, mas perseguir adversários

Por RICARDO MURAD - O caso de hoje em um shopping da capital chocou as pessoas. Mais um cadáver para a pilha que se acumula desde que Flávio Dino assumiu o controle da segurança pública do Maranhão. Nosso estado virou um campo de extermínio. Antigamente existia mais pudor dos criminosos em relação a prática de assassinatos. Com Flávio Dino no governo as pessoas são mortas a qualquer hora, em qualquer lugar e independente se uma multidão testemunha o crime.

Enquanto a população segue sendo assassinada nas ruas, o governador usa o aparato do estado para perseguir adversários políticos. Apesar desta ser uma crise que já era anunciada e a população ser refém do medo e do terror, o governo exigiu que a Secretaria de Segurança pública destacasse mais de uma centena de policiais entre delegados, investigadores e agentes para criar uma força tarefa que “investiga” o governo anterior.

Estes homens e mulheres estão servindo de instrumento de perseguição política quando poderiam estar protegendo o povo. E isso chega ao ponto de uma depravação moral: perseguir adversários torna-se mais importante que proteger a vida do povo. Tenho certeza de que se estes agentes públicos estivessem nas ruas, muito menos maranhenses estariam nos cemitérios. Menos mulheres estariam viúvas e muito menos filhos estariam órfãos.

Flávio Dino faz isso apenas para saciar sua sede doentia de vingança contra aqueles que lhe fazem oposição. Joga a razão no lixo e se deixa dominar emocionalmente pelo ódio a quem não aceita seus desmandos. Pior que isso só o amor insaciável pela figura pequena do primeiro damo que age como um tiranete.

Sinceramente, nunca tive esperanças de que ele pudesse fazer algo de bom, mas também nunca imaginei que pudesse fazer mal a tanta gente e com tanto cinismo em apenas oito meses de governo que já parecem uma eternidade. Deus tenha compaixão de nossa gente!